MarrocosViagens

Dicas de hospedagem e lugares pra visitar em Marrakech – Marrocos!

Após alguns dias viajando de carro pelo Marrocos já estava ansiosa pra conhecer Marrakech, começamos nossa viagem por Fes, depois seguimos para Merzouga, Ouarzazate e finalmente Marrakech, foram 1.200 km rodados até finalmente chegar em Marrakech, e quando chegamos lá eu percebi o porque a cidade é tão procurada pelos turistas quando vão ao Marrocos. Mesmo ter passado por Fes e outras cidades pelo caminho percebi que pra sentir a verdadeira essência do Marrocos precisa de conhecer Marrakech, não que seja a cidade mais tranquila, pelo contrário, a primeira impressão é chocante, mais na frente você vai entender o porque Marrakech é um caso de amor e ódio para muitos visitantes.

1 dia – Chegada em Marrakech

Foto linda da piscina do Hotel quando chegamos à noite

Chegamos na cidade já bem de tardinha e fomos direto para o nosso hotel Riad Charai que fica dentro da Medina, os carros não circulam dentro das medinas, então deixamos o carro num dos vários estacionamentos que tem fora da Medina e esperamos alguém do Hotel Riad Charai ir nos buscar no estacionamento e nos conduzir até o hotel que era uns 5 minutos andando. Fomos alertados pelo hotel para ligar para eles assim chegar, porque muitas pessoas ficam de olho nos turistas para oferecer ajuda como guias para chegar nos hotéis e depois cobrar dinheiro pela suposta ajuda. Até aqui já deu pra entender como funciona as coisas por lá, né! Outra coisa que foi essencial foi o funcionário do hotel negociar o preço do estacionamento pra nós. De cara quando chegamos o funcionário do estacionamento queria cobrar 100 Dirham (10€) por noite, mas depois deles conversarem o preço caiu para 60 Dirham por 2 noites, percebeu como as coisas funcionam? Para os turistas eles dobram ou triplicam os preços de tudo. Turistas são alvo de extorsão , tudo dobra, mesmo tentando negociar, sempre pagamos mais caro, até em restaurantes funciona assim, geralmente eles tem 2 cardápios , um em inglês para os turistas com preços mais elevados e outro na língua local para os locais com preços normais.

Se você gosta de compras, artesanato, boa comida e história, você vai adorar Marrakech.  

Deixamos nossas coisas no hotel e fomos jantar na Praça Jemaa el-Fna, escolhemos um restaurante com vista pra praça para observar a muvuca enquanto jantávamos.

Fotos da praça tiradas no dia seguinte!

Músicos da praça Jemaa el-Fna

Adestradores de macaco

Barraca de sucos

Encantadores de serpentes

dentista

A Praça Jemaa elFna em Marrakech é um dos lugares mais fascinantes de todo o Marrocos e atração imperdível na cidade, sem dúvida, a parte mais caótica, talvez por isso se torna tão interessante. Mais do que uma simples praça, é o ponto de encontro pelos moradores e turistas, la você vai ver encantadores de serpentes, músicos, contadores de histórias, barraquinhas de sucos e comida, e ao redor, há diversos cafés com terraços, de onde é possível ver a movimentada esplanada de cima. Alguns cobram um valor minimo de consumo obrigatório!

 2 Dia em Marrakech – Dia de conhecer a Medina 

Depois de uma boa noite de sono no nosso Hotel Riad Charai,  estávamos prontos para explorar todos os cantinhos de Marrakech.

Piscina do Hotel Riad Charai

Ficamos 2 dias em Marrakesh e acho que foi mais que o suficiente para conhecer o principal!

Escolhemos um Riad para nossa estadia em Marrakech para poder sentir ainda mais a essência da cidade.

As principais características dos Riads são a sua localização e decoração. Quase todos estão construídos dentro da Medina , o que é bastante conveniente para nós turistas que queremos estar perto das atrações. Como quase tudo para ser visto está dentro da Medina, então se hospedar num Riad é bastante útil. Dá pra fazer tudo a pé.

Mas o que é um Riad?

Os Riads são antigos casarões geralmente localizados dentro das Medinas, cujos donos os transforma em um tipo de Pousada Bed & Breakfast. Em todas as cidades imperiais do Marrocos tem inúmeras opções de Riads, desde os mais simples e baratos até Riads 5 estrelas, com todo luxo e requinte de um hotel de rede internacional.

Vista do terraço

E não tenho dúvidas quanto à escolha do Riad Charai! A localização do Riad é ótima, são menos de 15 minutos andando até a praça Jema al fina, há um estacionamento a 5 minutos do hotel e a  Estação Ferroviária de Marraquexe fica à 3 minutos de carro.

Nosso quarto

Olha que charme esse banheiro todo em marmore

A decoração é super elegante com mobílias típicas marroquina, os quartos e suítes incluem ar condicionado, acesso Wi-Fi gratuito e televisão por satélite. Todos os quartos apresentam vista para o pátio onde tem uma piscina super charmosa, alguns quartos também dispõem de uma lareira.

Nosso quarto com vista pra piscina

O café da Manhã

Só de lembrar do delicioso café da manhã do Riad Charai me da fome, é tudo preparado na hora, com direito a omeletes, panquecas, sucos de laranja natural, pães, frutas, queijos, mel, geleias, tudo feito com muito carinho para cada hospede, um detalhe, pode ser tomado no seu quarto, mas nós preferimos na beira da piscina, fala que não é um luxo!

 

O Riad Charai também conta com um Spa, imagina uma massagem depois de um dia inteiro andando pela Medina!?

A equipe do hotel foi extraordinária, o gerente, as camareiras, a recepção, todos nos trataram muito bem, sempre com sorrio no rosto! Nos sentimos super em casa.

O Riad Charai é sim um verdadeiro oásis em Marrakech!

Agora que você já tem uma dica quente de onde se hospedar em Marrakech, é hora de se perder nas milhares de ruelas e becos da Medina.

Primeiro o que é uma Medina?

Uma medina é a parte antiga de uma cidade, encontrada em muitos países do norte da África, não apenas no Marrocos. É tipicamente murada e contém ruas estreitas, fontes, palácios e mesquitas. Muitas medinas são livres de carros, pois não há espaço suficiente nos becos para os carros passarem. A palavra “medina” significa cidade no árabe moderno.

Dentro da medina há uma série de coisas para fazer, além de fazer compras é claro.

Para descobrir verdadeiramente as tradições autênticas de Marrakech, é necessário se perder na Medina da cidade e em seus típicos Souks: As Medinas são um labirinto de ruas estreitas e sinuosas em que a história e a cultura do povo marroquino são descritas. Os Souks, os distritos nos quais o centro da cidade é subdividido, são organizados dependendo do tipo de produto produzido e vendido pela população local: um grande mercado onde tecidos, especiarias coloridas e perfumadas, tagines de terracota, tapetes artesanais e ferro forjado podem ser comprados.

Preparando o óleo de argan

Os Souks da Medina de Marrakech são mágicos: um lugar onde as cores e fragrâncias se entrelaçam e criam novas possibilidades. Esqueça o mapa por um tempo e siga seus instintos. A medina é cheia de coisas bonitas para venda: móveis de madeira entalhados à mão, tapetes, tecidos, artigos de couro, jóias de prata, lâmpadas de latão, cerâmicas, sedas e roupas, antiguidades, especiarias, perfumes e ervas.

Como regra geral, não faça compras por impulso. Você verá muitas barracas vendendo o mesmo tipo de itens, então o melhor plano de ataque é perguntar a três lugares diferentes pelo preço antes de comprar – você notará que o preço pode variar enormemente dependendo de quem você pergunta e quem faz a compra. Se você estiver interessado em alguma coisa, pergunte casualmente o preço e finja ir embora como se você não estivesse interessado; eles não deixarão você ir embora e perguntará o quanto quer pagar, é aí que a pechincha começa. Ofereça sempre a metade ou menos da metade do preço oferecido pelos vendedores, eles não vão querer perder a venda! Depois de fazer o acordo, lembre-se de apertar as mãos, sorrir e dizer obrigado (pronuncia-se shukraan  em árabe)!

Praça Jemaa el-Fna vista do terraço de uns dos restaurantes que tem em volta, tem varias opções!

Na medina, todas as ruas parecem levar à Jemaa el-Fnaa (Djema el-Fna ou Djemaa el-Fnaa), a principal praça histórica perpetuamente movimentada com vendedores de suco de laranja, barracas de comida e animadores de todos os tipos. Não deixe de visitar o Cafe de France para uma vista linda da Praça.

3 dia em Marrakesh, visita nos jardins e palácios

Hoje é dia de descanso e relaxamento, nada de muvuca das Medinas. Após o café da manhã no hotel, fizemos uma visita ao  Jardim Majorelle , os jardins privados construídos pelo pintor francês Louis Majorelle em 1922.

  

Em 1962, o estilista Yves Saint Laurent comprou a casa e os jardins. A poucos minutos de carro do lado de fora da medina, é um lugar agradável para passar a manhã. Há também um pequeno museu de arte islâmica e um café no local. Para evitar as multidões, não se esqueça de ir para lá cedo! Este jardim possui uma variedade de cactos e belas fontes, tudo com o azul cobalto especial que fornece o pano de fundo para esta pequena maravilha escondida. Visite o Museu de Arte Islâmica de Marrakech nos jardins para ver tecidos, cerâmicas e jóias da coleção de Saint-Laurent, bem como aquarelas preservadas de Jaques Majorelle. (Preço 70 dhs).

   

 

Depois seguimos para o  La Bahia Palace , uma maravilha arquitetônica do século XIX com jardins elaborados que já abrigaram um harém. O Bahia Palace foi originalmente construído para uma concubina chamada “Bahia”, uma das favoritas do harém de Ba’Ahmed, de 1866 a 1894. Partes do filme de James Stewart, O Homem que Sabia Demais, foram filmadas aqui. Esteja preparado para esticar o pescoço olhando para a talha de madeira, pintura geométrica e estuque bem trabalhada ao longo dos limites do palácio. Admissão: 10 dirham. Aberto diariamente das 9:00 às 16:30.

Outros pontos interessantes em Marrakech

Medersa Ben Youssef – Essa não fui porque estava em reforma e dizem que só terminara em Julho desse ano. A Medersa Ben Youssef ou Madrassa (escola islâmica) foi construída no Século XIV, e era o local onde as crianças estudavam e memorizavam o Alcorão (“Quran”). A existência de uma pequena mesquita dentro da escola garantia aos alunos um espaço próprio para as 5 orações diárias. Estima-se que cerca de 800 estudantes tenham morado na medersa Ben Youssef. Hoje a medersa é aberta para visitação! É possível visitar os quartos dos estudantes, mas a grande atração é o pátio principal que reúne todos os elementos do estilo árabe/andaluz. A decoração da medersa é impressionante e possui detalhes incríveis, como o piso em mármore italiano, paredes esculpidas com gesso e cedro, além de azulejos “zellij”pintados à mão que juntos são lindos de morrer! Assim como o Bahia Palace, a medersa ajuda a demonstrar o tamanho da riqueza que existe dentro desses templos. Parte do texto e foto: Trip Advisor

Recomendo ler também –Tudo que você precisa saber antes de ir para o Marrocos!

Mesquita Koutoubia – Elevando-se a 77 m sobre o Jemma el-Fna a Mesquita Koutoubia se destaca entre as multidões que circulam pela praça diariamente. Nomeado após o souk local de livros, que em árabe significa koutoubiyyin.  Foi originalmente concluído durante o reinado de Yacub al-Mansur da dinastia Almovad no século XII e é a estrutura mais antiga e completa deste período. A Mesquita Koutoubia foi concluída com a ajuda de arquitetos da Andaluzia e é um monumento prototípico da arquitetura andaluz-marroquina. Embora a mesquita esteja fechada para não-muçulmanos, os visitantes são bem-vindos para passear, tirar fotos e aproveitar o jardim de rosas nas proximidades enfeitado com inúmeras fontes e palmeiras. Os viajantes interessados ​​em percorrer o interior da mesquita são encorajados a visitar a Mesquita de Tin Mal nas proximidades, concluída em 1156 dC e o protótipo da Mesquita Koutoubia.

Tumbas Saadianas – Também não visitei, mas dizem ser interessante e super recomendado a visita. Uma das ruínas mais visitadas em Marraquexe, as Tumbas Saadianas abrigam mais de 60 túmulos e mais de 100 belos jardins, tornando-se um dos locais mais impressionantes de Marraquexe, se não em todo o Marrocos. Originalmente, essas tumbas foram muradas por Moulay Ismail no final do século XVII e “redescobertas” pelos franceses em 1917. O rumor é que os franceses redescobriram as tumbas enquanto realizavam uma pesquisa aérea de Marrakesh. Os moradores dizem o contrário. Aberto diariamente das 9h às 16h45. Admissão: 10 dirham.

Vendedores de água

Quando ir

Marrakech é mais visitada no final da primavera e início do outono, quando a temperatura é quente e ensolarada, mas não insuportável. O inverno é ameno e menos lotado e as temperaturas mais baixas significam que é mais fácil de se cobrir e não se destacar como turista. Evite a altura do verão, quando o calor pode ser insuportável.

www.riadcharai.com

54, Diour Jdad, Zaouia Abbassia
Marrakech 40000
Marrocos

Contato:

00212 524 38 80 80 / 00212 628 75 14 29

info@riadcharai.com

Mirelle Tome

Autora Mirelle Tome

Mais posts de Mirelle Tome

Join the discussion 3 Comentários

  • Eu tinha comentado antes de você ir que não tinha gostado muito. O motivo foi exatamente essa muvuca e o povo querendo tirar seu dinheiro só porque é turista. Uma coisa bem comum no Brasil principalmente no Rio de Janeiro onde um flanelinha te cobra 20 reais pra “olhar ” seu carro que ficou na rua!

    Quando pousei em Casablanca logo veio um cara solícito pegar minha mala. Pensei que era o cara do shuttle mas no fim era um desses que leva sua mala por 20 metros e depois te pede dinheiro quase que em uma extorsão. Nos comércios também se vê algo desse tipo e isso acaba me irritando durante um turismo.

    Também não me adaptei muito às vestimentas do povo local. Achei feio demais toda aquela gente com roupa esquisita e as mulheres com panos que mais parecem cortinas. Sem contar as mesquitas com suas chamadas constantes para o povo parar o que estiver fazendo e irem rezar.

    Ainda por cima sempre fica aquele sentimento de: será que não estou fazendo besteira nesse país muçulmano? fica um medo danado de fazer algo contra a cultura deles.

    Enfim, achei legal a experiência mas não volto pra turismo. Fiquei um ano por lá e conheci Casablanca, Deserto do Saara, Dahkla e mais alguns cantinhos.

    • Mirelle Tome disse:

      No início achei tudo muito confuso, mas depois até gostei, teve momentos que passei raiva com esses flanelinhas e alguns moleques que ia na nossa frente como tivesse nos guiando pra algum lugar, tivemos que ser mal educados com eles, porque com educação não resolveu! Mas enfim, do resto gostei, achei super diferente e exótico, talvez eu voltaria pra cidades mais afastadas e menos turísticas, foi uma experiência bacana, diferente, acho que estou pronta pra ir pra Índia, países asiáticos e outros países menos civilizados agora rsrs. Obrigada pela sua visita e ter colocado sua opinião, é sempre bom ouvir outros relatos, seja ele bom ou ruim. No final o que conta é a experiência.

      • Eu quero ir para o sudeste asiático e acho que é mais tranquilo que o Marrocos mas a Índia….. tenho relatos não tão bons de lá. A mídia só mostra a parte boa né.

        Vou esperar você ir pra ler seu relato

Deixe uma reposta

Close
%d blogueiros gostam disto: