Mochilão de um mês pelo Sudeste Asiático – by Karine Tostes

By 28 de junho de 2017Tópicos recentes

Primeiramente quero agradecer a Mirelle pela oportunidade de falar um pouquinho dessa trip que foi a realização de um sonho.

Pré-viagem
Quando nós decidimos realizar uma viagem pelo Sudeste Asiático, o primeiro passo foi escolher a melhor época do ano. Dependendo da temporada, existem as monções, que são períodos intensos de chuvas que causam alagamentos, tufões, tempestades, e podem inviabilizar a viagem.
Nós optamos por viajar no mês de março.
Os países escolhidos foram: Emirados Árabes (Abu Dhabi e Dubai), Tailândia, Malásia, Singapura, Indonésia e Filipinas.
Voo – Escolhemos um voo de ida saindo do Rio de Janeiro com stopover em Dubai pela Emirates. Ficamos 4 dias e foi necessário um visto de trânsito de 96h.
Compradas as passagens, hora de decidir entre mala ou mochila. Depois de ler inúmeros relatos de viagens para o sudeste asiático decidimos que a melhor opção seria viajar com mochila, pois seria mais prático, e ao longo da viagem comprovamos isso, pois dependendo de onde você estiver, em um mesmo dia você vai pegar ônibus, van, barco, dois voos, enfim desembarcar em uma praia com malas seria meio complicado. Eu levei uma mochila de 50L e minha mãe uma de 60L.
Hospedagem – A hospedagem pela Ásia é muito barata comparada ao Brasil.
Voos internos – Empresas: Air Asia, Nok Air, Tiger Air, Cebu Pacific.
Considerações sobre o Jet Leg: Nessa viagem enfrentaríamos uma diferença de fuso horário de +11h em relação ao Brasil, e o corpo sente um “baque” de cansaço, só fomos nos adaptar alguns dias depois.

 

Dia de Embarcar

 

(Aeroporto Galeão Rio de Janeiro)

 

 

Dubai

Foram 3 dias em Dubai e um dia em Abu Dhabi.
O transporte foi basicamente Uber, tudo em Dubai é muito distante, e a cidade foi projetada para carros. No primeiro dia solicitei um Uber “econômico”, quando me deparo na porta do hotel com um Lexus me esperando, essa é a realidade dos emirados kkkk. No último dia alugamos um carro para irmos à Abu Dhabi, que era a opção mais econômica (cerca de R$75 a diária).
No primeiro dia conhecemos a Jumeirah Beach (praia do hotel Burj Al Arab), passeamos por The Palm Julmeirah, a ilha da palmeira que pode ser vista do espaço, fomos até o Hotel Atlantis. Depois seguimos para o safari no Deserto. A empresa nos buscou no hotel as 15h.

(Jumeirah Beach)

O Tour do Safari no deserto dura aproximadamente das 15h às 22h.
Tem diversas atividades, como rally de 4×4 nas dunas do deserto, eu amei, no início da um medinho pois parece que o carro vai capotar, mas logo a gente acostuma e começa a curtir.
Depois somos levados à um acampamento típico árabe onde podemos andar de camelos, vestir roupas típicas árabes e muçulmanas, assistir danças locais como a dança do ventre, fazer tatto de henna.

Eu particularmente não quis andar nos camelos pois senti que eles eram maltratados, estavam lá a disposição dos turistas para subirem, andar 100m, tirar uma foto e descerem, os camelos repetem esse trajeto o dia todo, eles estavam com os joelhos muito machucados de se levantarem toda hora.

No segundo dia visitamos pela manhã a parte antiga de Dubai (Gold Souk e Spice Souk). No Gold Souk fica o maior anel de ouro do mundo pelo Guinness. É o mercado de ouro de Dubai. Spice Souk é um mercado de temperos.

(Maior anel de ouro pelo Guinness)

 

Seguimos para o DownTown para visitar o Burj Khalifa, o prédio mais alto do mundo.
Fomos ao Dubai Aquarium and Underwater Zoo, passeamos pelo Dubai Mall, e subimos para o observatório do Burj Khalifa.
*Dica: Comprar o ticket direto no site tickets.atthetop.ae, o horário de 15h (mais barato), para os andares 124 e 125 e pode ficar até o pôr do sol. Existe uma opção de subir até o 146, mas é mais caro.

 

(Burj Khalifa)

 

Noite: Show das fontes no Dubai Mall a partir das 18h, a cada 30 minutos.
No terceiro dia fomos para o Skydive Dubai. Já era meu sonho saltar de Paraquedas, e escolhi fazer isso em Dubai. Reservei com cerca de 3 meses de antecedência, e só contei para minha mãe que iria saltar na véspera kkkkk, no início ela ficou um pouco brava, mas depois acostumou com a ideia. Foi uma das experiências mais SURREAIS que eu poderia passar na vida, ver a Palm Jumeirah lá de cima é emocionante. A reserva é feita pelo site http://www.skydivedubai.ae/, o preço é bem salgado, mas vale cada centavo investido.

De tarde fomos para o Miracle Garden, e a noite fomos conhecer a Marina de Dubai.

(Miracle Garden)

(Marina de Dubai)

Um dia em Abu Dhabi
Partimos cedinho para Abu Dhabi para visitar a Sheikh Zayed Grand Mosque, que por sinal é lindíssima por dentro e por fora. São cerca de 140km, aproximadamente 1h30min de carro. Logo na entrada temos que colocar o traje em respeito à religião muçulmana.

 

Tailândia

Bangkok, a capital
Nosso ponto de chegada na Tailândia foi Bangkok. Logo de cara já me apaixonei por aquele caos. Ficamos hospedados próximo à KhaoSan Road. Lá é um ponto turístico onde tudo acontece, é um choque de cultura enorme. Fui logo comer o escorpião no palito, confesso que achei horrível, mas tive que provar eheheh. Na Tailândia tem massagem por todo lado, super barata, e diga-se de passagem, a melhor massagem da vida. Nós fizemos massagem todos os dias quando estávamos na Tailândia. Lá também tem o FishSpa, peixes que comem pele morta e fazem uma limpeza nos nossos pés, dá muito nervoso no início, mas depois fica uma delícia. Uma dica importante, na Tailândia tem uma loja de conveniência chamada Eleven (7) e em cada esquina tem uma dessas e tem de tudo, inclusive refeições prontas e eles esquentam no micro-ondas na hora, que me salvou várias vezes. Ou seja, deu fome, procura uma Eleven na rua.

(KhaoSan Road)

 

(Fish Spa)

Fomos conhecer o Sky Bar, onde foi filmado Se Beber não Case II. Tem uma vista linda de Bangkok a noite. Fica no 64º andar do Lebua State Tower. Uma dica, pare antes no Breeze Restaurante no 54º andar que tem uma vista de tirar o fôlego.

 

(54º andar State Tower)

No segundo dia fomos conhecer alguns templos. Mas como o tempo era corrido fomos somente ao Grand Palace. Dica, chegue no final da tarde quando está quase fechando que vai ter pouca gente. O Grand Palace é super lotado, e MUITO QUENTE (assim como toda Bangkok), leve uma garrafa de água. Mulheres: trajes para visitar os templos, sempre cobrindo os ombros e as pernas. É comum tanto nos templos, como casas, hotéis, estabelecimentos comerciais tirar o sapato para entrar, em respeito ao budismo e aos costumes locais.

(The Grand Palace)

Outro templo que visitamos foi o Benchamabophit, lindinho e vazio.

(Benchamabophit Temple)

 

 

Chiang Mai

Chiang Mai fica no norte da Tailandia, é uma cidade pacata, montanhosa e tranquila, me senti muito acolhida.

 

Em Chiang Mai fomos visitar o Elephant Nature Park, um santuário de elefantes que tem um trabalho lindo. Esse santuário foi escolhido a dedo, pois na Tailândia é comum os maus tratos nesses animais, muitos lugares oferecem passeios nos elefantes, o que pode machucar. O Elephant Nature Park é formado de elefantes maltratados e resgatados. É emocionante passar o dia lá, acompanhar a rotina dos bichinhos, alimenta-los, dar banho, um dia lindo e uma emoção que nunca vou esquecer.

 

No outro dia fomos conhecer o Karen LongNeck Village, a tribo das mulheres girafas. Eu sempre tive curiosidade de conhecer de perto essa tribo. Valeu a pena? Sim, pois matei minha curiosidade, mas não recomendo, não me senti bem pois parecia um teatro.

São mulheres refugiadas do Myanmar que conseguiram abrigo na Tailândia. Elas sobrevivem da venda de artesanato, mas o governo tailandês cobra uma taxa de visitação. As mulheres ficam expostas, quase que mecanicamente para os turistas tirarem fotos. Tentei me comunicar com algumas delas, algumas foram simpáticas, mas senti tristeza no olhar da maioria.

 

Chiang Rai

O caminho de ônibus saindo de Chiang Mai a Chiang Rai leva em torno de 3 horas, um dia é suficiente. Fomos lá para conhecer o famoso templo branco da Tailândia, “Wat Rong Khun”. É incrivelmente lindo! Dica, chegue quase na hora de fechar para aproveitar o templo praticamente vazio!

 

Ko PhaNgan, rumo à FULL MOON PARTY
Saindo de Chiang Rai pegamos dois voos, uma van, um barco e outra van até chegar a ilha da festa. Dica: dormimos no “Hotel Amari Don Muang Airport” um hotel dentro do Aeroporto em Bangkok, bastante prático.

 

A Full Moon Party é uma festa de Neon que acontece uma vez por mês na Tailândia. Como já sabíamos o dia ( www.fullmoonparty-thailand.com/schedules.html ) organizamos o cronograma da viagem a partir da data da festa. A festa acontece na ilha de Ko Pha Ngan, na praia de Haad Rin com gente do mundo inteiro. É uma festa super famosa, e faz jus a toda sua fama. A bebida é servida em um baldinho, chamado bucket. Todo mundo se pinta de neon, e durante a festa tem várias atrações com fogo.
Pós festa, rumo a Koh Phi Phi, a queridinha da Tailândia.
Mais um dia de viagem até Phi Phi. Chegamos em Koh Phi Phi logo de tardinha, tomamos um banho e fomos conhecer a ilha. Lá é tudo pertinho, dá pra fazer tudo a pé. Uma observação, eu nunca vi tantos gatos em um só lugar como naquela ilha. A noite acontecem algumas apresentações com fogo na praia e é muito divertido. A ilha é super badalada.

(Maya Bay)

No outro dia acordamos cedinho pra fazer o passeio de barco. Reservamos um Long-Tail (barquinho tailandês) pra sair bem cedo e encontrar Maya Bay ainda vazia pois os barcos grandes de passeio chegam as 9. Chegamos em Maya Bay as 8 e já estava um pouco cheia. Não achei muita vantagem chegar cedo pois a praia só fica bonita com aquele turquesa lindo lá pelas 11h quando o sol bate. Mas de qualquer forma é realmente linda. O passeio dura 6h e você pode escolher em que praia quer ir. Nós demos azar, nosso barco quebrou e tivemos que ser rebocadas kkkkkk. Mas no final deu tudo certo.
Paramos em Monkey Beach e pasmem, não encontrei nenhum macaco, fiquei frustrada, não sei por qual motivo os macacos estavam escondidos, o guardinha disse em um tom irônico que eles estavam dormindo. Acho que fui a única que não encontrei macacos na Monkey Beach.
A noite fui dar um rolé pela ilha e cai em um bar que tinha um ringue de KickBoxing bem no centro do bar. Nunca ri tanto!!! As pessoas que estavam no bar podiam subir e lutar, e quem vencer ganha um bucket como prémio!
Hora de despedir da Tailandia

 

Kuala Lumpur – Malásia
(2 dias)

A minha super dica de Kuala Lumpur é alugar um apartamento pelo Airbnb no Platinum Suítes THE FACE. O prédio tem uma piscina infinita no 51º andar. Como o prédio é recém construído, os apartamentos são novos. E é MUITO barato. Pagamos cerca de R$90 por pessoa/dia em um apartamento equipado e aquela piscina infinita a nossa disposição. Se você é louco pra se hospedar em um hotel com uma piscina infinita tipo Marina Bay Sands esse prédio é uma opção barata. Tem momentos do dia que a piscina fica vazia. É fantástica a vista de dia e de noite.

 

(Petronas Twin Towers)

Bali – Indonésia
(3 dias)

Reserve um bom tempo para desfrutar Bali. Ficamos 3 dias e não foi suficiente. A ilha é imensa. Confesso que esperava mais de Bali, acho que criei muita expectativa e não achei as praias tão bonitas. Os taxistas em Bali são irritantes, eles quase pulam na sua frente te oferecendo taxi, gritam taxi na sua cabeça o tempo inteiro.

(Aleva Villa, Seminyak)

Escolhemos a região ao sul da ilha, Seminyak e Uluwatu. Seminyak tem milhões de resorts maravilhososss, e são muito baratos. Fomos no fim de tarde para o Potato Head, tem uma piscina infinita de frente pro mar, é lindo assistir o pôr do sol de lá.
No segundo dia fomos passear em Ubud e conhecer o Santuário dos macacos, como nos divertimos, os macacos são muito engraçados!!! Tem que tomar cuidado com os pertences, pois eles abrem as mochilas pra roubar comida.
No último dia fomos para Uluwatu. Acordamos as 7 da manhã com um terremoto! Eu e minha mãe ainda estávamos na cama e tudo tremia, mas foi rápido. Deu um medo na hora kkkkkk
Alugamos uma motinha pra rodar em Uluwatu, é muito divertido, e pra quem nunca dirigiu na mão inglesa dá um nó na cabeça!!

 

(Pura Uluwatu)

 

No terceiro dia fomos visitar o Pura Uluwatu, é um templo hindu com uma vista linda!!! No caminho passamos pelo Blue Point e no fim de tarde uma boa parada é o Single Fin. Um lugar que tem uma vista incrível que indico é o El Kabron. A piscina estava em reforma na época, mas tem uma vista maravilhosa.

Singapura

Pegamos um voo com conexão de 19h em Singapura. Como sabíamos que a cidade tem um custo bem alto, optamos por conhecer Singapura em um day-tour. Fiquei apaixonada pela estrutura da cidade. Fomos direto a região do Marina Bay, passamos pelo ArtScienc Museum, depois pro Gardens by the Bay. É tudo futurista. Super recomendo visitar Singapura.

 

(ArtScience Museum)

 

(Gardens by the bay)

Dormimos em um hotel dentro do aeroporto, é um hotel de transito por 6h (Ambassador Transit Hotel).

Filipinas

Sempre foi um sonho conhecer as Filipinas. As águas são muito azuis, tanto nas praias quanto nas cachoeiras. Natureza incrível naquele lugar.
Mas pra começar, tem que ter muita paciência pra chegar aos lugares, geralmente você fica cerca de um dia inteiro até chegar ao seu destino. A maioria dos voos faz conexão em Manila que é a capital.
Escolhemos dois destinos: Cebu: Kawasan Falls, Sumilon Bluewater Island e nadar com os tubarões baleia em Oslob e El Nido com os passeios de barco.
– Cebu: o desembarque é no aeroporto de Cebu City, de lá pegamos um taxi até a estação de ônibus sul (cerca de 1h com trânsito), e foram mais 4:30h de ônibus até Oslob.
O tour dos Whale Shark sai do hotel a 5h30min da manhã, as 6h entramos no mar para observar os tubarões baleia. Eles são realmente imensos, um adulto pode chegar a 25m, mas eles são muito dóceis. Experiência surreal!!

 

As 11h pegamos um barco até a Sumilon Bluewater Island Resort, e passamos o dia lá, o “Day Use” e custa cerca de R$90 reais com direito a almoço, snorkel e toalhas.

 

(Sumilon Bluewater Island)

 

Canyoneering em Kawasan Falls: Imperdível. São cerca de 4 horas ao longo dos Cânions do rio Matutinao, saltando, nadando, flutuando naquelas águas azuis. Um dos lugares mais lindos que eu poderia visitar.

(Kawasan Falls)

– El Nido: pra fechar a viagem
Saímos de Cebu com um voo para Puerto Princesa, e depois mais 6h de van até El Nido, um dia inteiro de viagem.
Como teríamos somente 1 dia em El Nido optamos pelo “Tour A” (Big Lagoon, Small Lagoon, Hidden Beach, Seven Commandos Beach). O tour durou de 9 às 19h, com praias paradisíacas.

 

(Small Lagoon)

 

Karine Tostes, Itaperuna, RJ
Instagram: @karinetostes
E-mail: karinetostes@hotmail.com

Mirelle Tome

Author Mirelle Tome

More posts by Mirelle Tome

Join the discussion One Comment

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: