Muitos querem morar fora, mas poucos querem pagar o preço!

By 20 de novembro de 2016Tópicos recentes

Vale a pena largar tudo para morar fora?

Cada vez mais as pessoas estão dispostas a deixarem tudo para trás e se mudarem para outro país, seja Europa, Estados Unidos… Muitos querem mudar pra ganhar dinheiro, construir sua casa própria, montar um negócio, conhecer coisas novas ou apenas para fugir de alguma situação, ou até de problemas pessoais!

O Brasil está a cada dia pior, a falta de segurança, custo de vida alto, à corrupção, o desemprego e a violência vem aumentando muito nos últimos anos, fazendo com que muitos queiram sair de lá pra algum outro lugar.
Muitas vezes motivados por fotos em redes sociais ( onde tudo parece lindo e perfeito demais) . Fotos em festas, lugares diferentes, férias 3-5 vezes no ano (para um país diferente), tudo isso é verdade, mas o que ninguém mostra são os problemas que enfrentamos quando mudamos de país , a língua, cultura, a solidão, a desigualdade, o preconceito por ser um imigrante…etc! Sim tem tudo isso, e não é por morar aqui 20 anos, falar a língua e ter cidadania que isso irá mudar, ( você sempre será um imigrante)!
Pra tomar uma decisão de sair do país, primeiro você tem que ver se teria coragem pelo menos de mudar de estado, ou até mesmo de cidade, porque não é uma decisão fácil de ser tomada, mesmo com todos os problemas, sair do conforto de sua casa, de perto da família e dos amigos é um caso que deve ser pensado com cautela! Sem falar que na questão de trabalho, estaria disposto a lavar prato, lavar banheiro, etc… ?Sim meu amigo, não importa sua carreira no Brasil, já vi muitos professores, enfermeiros, bancários e até advogados fazendo esse tipo de trabalho, não estou generalizando , muitos conseguem até trabalhar no mesmo ramo, mas, todos pagaram o seu preço até chegarem onde chegaram e tiveram que estudar e estudar muito.

IMG_6659

E durante essa caminhada você vai sim servir mesa, limpar chão, lavar prato e limpar coco de cachorro…etc, etc!! Se você é orgulhoso o suficiente para não arranjar um emprego destes no Brasil, por que estaria disposto a fazer isso fora?
Mas será que vale mesmo a pena sair de lá ? mesmo com todos esses problemas e muito mais?
Primeiro vamos ver as vantagens e desvantagens:
Um pouquinho da minha história, que irá motivar ou desmotivar vocês de vez.

São quase 14 anos morando fora, e neste post vou contar um pouco da minha experiência de morar fora do Brasil.
Pra quem não sabe, eu sou brasileira, de Goiás e moro há 10 anos em Londres – Inglaterra, e morei 3 e meio em Portugal . E esses 13 anos me ensinaram muitas coisas, que eu quero dividir com vocês, servindo não apenas como uma conversa entre amigos, mas para de certa forma ajudar quem quer tomar a decisão de viver a vida em outras terras e até mesmo, para saber a opinião de quem já fez isso também. Tudo o que vou contar é fruto da minha experiência e bem pessoal e talvez em algum ponto alguém se identifique. Esse post também não tem a intenção de falar mal do Brasil. Estou apenas contando o que aprendi , e o que me fez ver a vida de forma diferente. E não custa reforçar: estou falando apenas de mim, única e exclusivamente da minha experiência.
Considero que até o momento, a minha lista de aprendizado é pequena e ainda tenho muito o que aprender, e estarei sempre buscando novos aprendizados.

img_1841

 

Eu saí do Brasil em 2003, as coisas já estavam ruim, e com o passar dos anos só pioraram. Com isso fui adiando meu retorno pra casa, e hoje depois de 13 anos não consigo imaginar morando no Brasil de novo, posso até voltar, mas vou precisar de um bom preparo psicológico!

Bom, saí do Brasil com 20 anos de idade( ok, já descobriram minha idade)
Primeiro fui para Portugal, e as coisas não foram nada fáceis, como eu mesma disse , tudo tem seu preço, fui explorada e humilhada no trabalho, mas também ganhei amigos!

Além de tudo isso, tem a questão de ser legal ou não para viver no país;

Entre uma pessoa entrar ilegal no país e se legalizar existe um longo caminho que muitos não estão preparados para enfrentar a circunstancias desse processo!

A ideia aqui não é criticar ou invalidar os planos de ninguém. Também não sou dona da verdade ou alguém que sabe ou conhece tudo. Eu já vi muito ilegal se dar mal e também já vi alguns que se deram bem no final, mas foram anos ralando… até chegar lá, (esse é o meu caso). Contarei como me legalizei no final do post!

 

IMG_0369

Mas antes quero falar de alguns tópicos!
1. Medo e qualidade de vida
Já perdi as contas de quantas vezes me perguntaram se eu gosto dessa vida de morar fora e se tenho saudades do Brasil, do que tenho medo, se quero voltar ou viver aqui pra sempre.

Se eu gosto? Eu aprendi a gostar, viver longe da família não é tarefa fácil, e no início eu sofri muito com a saudade, solidão, rejeição, discriminação, enfim, coisas que praticamente são impossíveis de não acontecer.
Do que eu tenho medo? O que tinha mais medo era perder alguém enquanto eu tivesse morando fora e nunca mais poder vê-lo, e infelizmente Vivi isso, e as 2 percas mais difíceis foi a morte do meu avô um dia depois que cheguei em Londres e a do meu único irmão, que ainda é recente; foram situações e momentos difíceis, mas que infelizmente não sabemos quando podem acontecer!

Se quero voltar ou viver aqui pra sempre?
Confesso que nem eu sei responder, eu amo morar aqui, as oportunidades, a segurança e o estilo de vida que levo me faz pensar muito nessa questão, gostaria muito que a resposta fosse sim, mas com situação do Brasil fica cada vez mais difícil de decidir, e se vou viver aqui pra sempre? Essa resposta só o futuro irá me responder.

Mas tirando o fato do país ser lindo e de todas as bênçãos naturais que o Brasil tem, o que mais me mantém em Londres é a segurança. Aqui também tem seus problemas e nesses anos que moro aqui, já roubaram minha bicicleta, e abriram minha bolsa num ônibus lotado e roubaram minha carteira . Já soube de um assalto aqui e outro ali e já vi notícias de violência, mas eu ando em paz 24 horas por dia por saber que além de Deus me guardar, não vou me deparar com a violência que estamos acostumados a ver diariamente no Brasil. Me tranquiliza perceber que 80% do tempo do jornal nacional local não é destinado a falar de mortes, assassinatos, sequestros, arrastões e etc. 50% do meu amor pela cidade/país se deve a isso. Os outros 50% estão no seu encanto e as oportunidades que temos de viver uma vida mais digna.
2. O jeitinho brasileiro
Tem muitas coisas admiráveis no brasileiro e uma delas é que ele consegue transformar uma dificuldade em uma oportunidade. Consegue virar o jogo. Consegue ser criativo, flexível e inovador. E ele usa essa qualidade única de várias maneiras, seja superando um problema ou ainda, usando o tal “jeitinho brasileiro” para driblar uma situação. Todo mundo (ou a maioria) alguma vez na vida já usou uma carteira de estudante sem ser estudante. Já estacionou na vaga de idoso ou de deficiente físico para não perder tempo no estacionamento do shopping. Já conseguiu um emprego ou uma bolsa, ou algo bem difícil por ser amigo ou conhecido de alguém influente. Os exemplos são muitos. E esse jeitinho brasileiro de certa forma até nos traz felicidade ou orgulho em determinadas situações, mas a verdade, é que analisando friamente, o tal jeitinho é uma forma de corrupção. E a conclusão disso, pelo que vejo com brasileiros que chegam em Londres, é que os que tentam usar esse jeitinho, perdem a credibilidade. São banidos de um círculo social. São mal vistos no trabalho. Porque ao menos para um inglês, ser proativo e ter soluções para diferentes situações não é considerado uma qualidade. Isso é burlar a lei mesmo, e aqui as coisas é assim, ou está na lei ou não é permitido.
3.Dividida entre dois mundos
Quando eu deixei o Brasil, fiz isso porque queria novas oportunidades. Queria ver o mundo com os olhos de outra cultura. Queria construir o meu mundo fora daquele que eu já conhecia tão bem. Não nego: não foi difícil se apaixonar por Londres e especialmente pela Europa. Mas com pouco tempo morando aqui, eu me vi com uma saudade imensa do Brasil e principalmente das pessoas que deixei lá. Eu percebi que poderia viajar o mundo e ter uma casa e novos amigos onde eu quisesse, mas aquele círculo social que me acompanhou por toda uma vida, esse eu não poderia ter. Ao menos não com a frequência que eu queria. E percebi também que eu passei a sentir falta e a dar valor a coisas que antes não dava, jamais me daria conta do quão gostosas eram, como comer uma coxinha, uma pamonha, tomar um açaí ou ir a aquele famoso churrasco de família aos domingos, que traz algumas briguinhas mas também rende boas risadas. E eu contei os dias para a minha primeira visita ao Brasil depois de vir morar aqui. E sabe o que percebi quando cheguei lá? Que tudo era delicioso, que tudo aquilo era importante para mim.

Morar fora também tem o lado ruim onde perdemos momentos especiais que jamais voltam;

Por exemplo: comemorar os nossos aniversários com familiares e amigos, perdemos os casamentos das melhores amigas. Perdemos o crescimento dos sobrinhos. Como diria Cazuza, o tempo não para e não parou nem para eles e nem para mim. Eu passei a ter dois mundos, duas saudades e duas adaptações. Para sempre.
4. Dinheiro não nasce em árvores
Eu nunca fui rica. A minha família até hoje é composta por pessoas que madrugam literalmente, que trabalham duro para pagar as contas e ter no mínimo uma vida digna. Minha experiência fora do Brasil, ao contrário do que muitos pensam, não me transformou em uma dondoca fresca, mas me fez por a mão na massa, e conseguir meus ideais, até fazer um curso de administração em inglês. Já fui babá, garçonete, atendente, já trabalhei em hostel onde tinha que trocar os lençóis de 50 camas e limpar uns 20 quartos por dia. E ainda existem pessoas que pensam que pelo simples fato de morarmos fora já estamos ricos e que ganhamos o dinheiro fácil, que viramos um herdeiro do Steve Jobs da noite para o dia;  E na verdade, a pessoa que fez essa decisão, pode mesmo chegar a ter uma estabilidade financeira bem melhor do que tinha no seu país natal, mas nunca na velocidade da luz como as pessoas pensam. É preciso lembrar que ela vai recomeçar do zero e às vezes, com mais dificuldades do que tinha no seu país.

5. Os desafios

Desembarcar em outro país pode ser uma aventura desafiadora e até poética, mas nunca é sem medo. É o medo de nunca dominar o idioma, é o medo de não ser aceito, de não conseguir uma estabilidade financeira, de não se adaptar, de não ser entendido, de viver na solidão, de se sentir um eterno viajante que não fincou raízes nem no país natal e nem no atual e por aí vai.
6. Aprender outro idioma
Fazer intercâmbio se tornou bem mais fácil na última década do que era há anos atrás, você pode além de estudar, aproveitar para viajar e conhecer novos horizontes, matando 2 coelhos em uma cacetada só! 🙂 uma pessoa que domina outro idioma é muito bem visto e se destaca entre os demais quando se fala em emprego nas grandes empresas, aquele que teve uma experiência internacional é sempre visto com outros olhos! Possa ser que alguém tenha uma visão diferente da minha, mas estou relatando o que a minha experiência me mostrou.
7. Morar fora não é pra todos
Nestes meus quase 14 anos aqui, já vi muitos estrangeiros amando a experiência e sem querer voltar para o seu país (meu caso) mas também já vi muita gente que se arrependeu de ter tomado essa decisão e ao menos à minha volta, os que decidiram ir embora sempre estiveram movidos ou pela saudade ou por não ter se adaptado. E repito: não é um mar de rosas mesmo. Não é todo mundo que consegue ficar e isso jamais deve ser encarado como um fracasso.
8. Sua vida será uma eterna despedida
No começo, você acha que estará sempre se despedindo, tanto dos amigos que deixou no seu país e também dos amigos que fez nesse novo lugar, que logo irão embora e aí você terá que buscar novas amizades outra vez. Aliás, morar fora é um ótimo exercício para lidar com perdas. E é quase que diário.
9. Você pode se surpreender
Morar fora te dá uma capacidade imensa de auto conhecimento. Você descobre habilidades e fraquezas que jamais tinha pensado que tinha. E de certa forma, se torna mais tolerante com você mesmo e com o outro. Mas como em tudo na vida, não é uma regra.
10. O seu mundo é o lugar em que você está
Não adianta estar em Miami desejando estar no Brasil. Ou estar na Nova Zelândia com o coração na Inglaterra. Para morar em outro país, você precisa encarar esse novo lugar como a sua casa e mudar toda a sua rotina fazendo aquele esforço de ser como um cidadão local, com pensamentos, atitudes e rotinas locais. É claro que eu nunca deixarei de ser brasileira e por mais que a burocracia me torne uma quase Britânica. O que eu quero dizer com isso é que uma vez decidida de morar no exterior, devo assumir emocionalmente essa responsabilidade com todos os desafios que ela traz, ou correrei o risco de nem ser desse novo país e nem do meu.

IMG_6636

Quando mudei do Brasil para Portugal, não tinha documentos europeus e nem chance de ter antecedentes europeus na família, foi mesmo com cara e coragem! Assim que cheguei em Portugal, o Governo Brasileiro e o Governo Português entraram num acordo diplomático para legalização de ambos imigrantes ilegais em cada país, ou seja, os portugueses no Brasil e os brasileiros em Portugal, e acabei entrando nessa nova lei de legalização. Foram 3 vistos de trabalhos até conseguir a residência portuguesa e só depois de 4 anos pagando taxas e ter cumprido todos os requisitos burocráticos, que consegui dar entrada na Nacionalidade Portuguesa, como eu mesmo disse: tudo tem seu preço e eu paguei o meu para chegar até aqui e você tá afim de pagar o preço?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

IMG_2825

Aeroporto transfer e city tour em Londres!

Entre em contato com a VIP Tour Londres

Mirelle Tome

Author Mirelle Tome

More posts by Mirelle Tome

Join the discussion 3 Comments

  • vivapelomundo disse:

    Amei o texot! Mostra bem a realidade desse sonho.
    Estamos indo esse ano para a Australia, sem pretensão inicial de passar a vida, mas ficar um tempo bom por lá e é complicado, ao mesmo tempo que se vem os sonhos, as novas conquistas, sabemos que abriremos mãos de outras coisas boas e também teremos nossos perrengues! Mas acho que no final tudo é válido! 😀

    Beijão! <3

    • Mirelle Tome disse:

      Australia uau!! Apesar de todos os perrengues que passei, valeu cada a pena por cada um deles, aprendi muito e melhor, passei a dar valor no antes achava ser monótono, te desejo sorte, e sempre que passar por uma dificuldade, olhe pra trás e tire as forças de lá, olhe pra frente também e lembre do que você buscar aí!!! Nada melhor do que uma vida nova para nos descobrirmos nós mesmos!

  • Parabéns pelo post!

    Vou encaminhar este post a todos aqueles que reclamam do Brasil achando que simplesmente basta viajar pra outro país pra viver o conto de fadas sem problemas e como mostram nos filmes e propagandas, que todos são ricos e ganham facilmente a vida.

    Tenho um amigo que está morando no Canadá. No início foi lindo, elogiava, dizia que era muito bom por ser seguro e tal, agora que já está 2 anos e meio já está louco pra voltar pro Brasil. Diz que é cheiro de maconha pra todo lado, reclama do frio, fala sobre criminalidade mas tem que esperar a filha terminar o ano na escola e a esposa terminar a faculdade.

    Todos os lugares vistos pelos olhos dos turistas são extremamente lindos! Eu viajo bastante e já conheço vários lugares. Quando falo que sou do Rio de Janeiro todos ficam maravilhados. Têm em mente praia, carnaval, festas, cristo redentor e tal mas nós moradores conhecemos as mazelas de cada lugar que vivemos, seja em NY, Londres, China, Austrália.

    Morar fora é difícil sim. Claro que existem pessoas que realmente se desligam e vivem facilmente mas você já redigiu muito bem todos problemas enfrentados por todos.

    Gostei muito do site. Parei aqui pra pesquisar sobre a Grécia pois estou indo em Maio, logo após Ilhas Canárias que será em Março.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: