HolandaViagens

O que ver em Amsterdam em 3 dias

Entre ruelas estreitas ladeadas por construções do século 19 e cortadas por canais, Amsterdam é uma capital que esconde atrás da aparência de pequena cidade histórica, um espírito jovem, contemporâneo e irreverente.
Amsterdam é uma cidade alegre, vanguardista e vibrante! Sempre cheia de gente de todos os lados. É o lugar ideal para você se divertir, o que não falta por la são opções, seja sozinho ou acompanhado. São canais cortando a cidade, tulipas, boa cerveja e muita história. Amsterdam é o tipo de lugar pra quem gosta de  “Viver la vida loca”.

A tolerância em questões como religião, drogas, sexo, liberdades individuais e o clima de festa que parece permanente na capital atrai viajantes do mundo inteiro. Uma cidade eclética que de uma forma ou outra vai te conquistar.
A vibração cultural não deixa por menos, são dezenas de museus convidativos espalhados por toda a cidade.

Em Amsterdam você vai ver bicicletas por toda parte!
E passear de bicicleta por essa cidade plana e repleta de ciclovias é o melhor jeito de conhecer belezas arquitetônicas que vão do estilo gótico às linhas modernas do Museu Van Gogh, em cujo acervo estão as principais telas produzidas pelo pintor.

Depois de 3 anos após uma visita meio frustrante, decidimos voltar na Holanda para visitar a Capital Amsterdam, que para mim é “uma das cidades mais atraentes da Europa”. ( Pegamos só chuva na nossa primeira vez), nos deixando completamente acoados sem poder fazer muita coisa! Eu sempre falava eu preciso voltar lá e sentir essa vibração que todos falavam. Na verdade, fomos de propósito para visitar os jardins e campos de Tulipas, em maio desse ano, já quase no final da primavera.

Além disso, nossa visita ao país rendeu outros passeios em cidades vizinhas, como a cidade dos moinhos Zaanse Schans e Giethoorn.

• Zaanse Schans: a cidades do moinhos na Holanda

• Guia completo de Giethoorn: A vila mais charmosa da Holanda

 Antes que eu me esqueça,  fizemos tudo de carro, somente em Amsterdam que deixamos o carro no hotel e pegamos o metro para o centro da cidade e depois fizemos a maioria dos passeios a pé e de barco rs.

Neste artigo vou falar, de forma genérica, sobre alguns lugares para ver em Amsterdam , bem como algumas das coisas que devem ser feitas quase que obrigatórias durante uma primeira visita à capital dos Países Baixos.

Amsterdam é conhecida sobretudo pelos seus canais, razão pela qual é chamada de Veneza dos Países Baixos e foi recentemente nomeada Patrimônio Mundial pela UNESCO, e onde o famoso Red Light District e os coffeeshops se destacam, e o consumo de maconha é liberado. E claro, a sua grande variedade de museus.

Amsterdam é uma cidade multicultural que recebe mais visitantes do velho continente. Eu particularmente achei o povo holandês muito mais abertos do que as pessoas de outras cidades europeias, como turista fui muito bem recebida por onde eu passei, percebe-se logo que, os turistas fazem parte da vida cotidiana deles.

O que vale a pena visitar ou ver em Amsterdã em 3 dias:

O centro de Amsterdam é cortado por seis grandes canais ao redor da cidade antiga, formando um complexo de hidrovias que, no século XVII, serviram de atrativo para que grandes comerciantes ali se instalassem. Conheça os canais a pé ou pelo meio de transporte mais popular na cidade, a bicicleta. Você também pode passear por eles num barco de turismo ou mesmo alugar um. Não deixe de visitar o mercado flutuante de flores, que fica no Singel, entre Koningsplein e Muntplein.

Começamos nossa viagem em Amsterdam pela Central Station, a maioria das atrações estão situadas no centro da cidade, e não importa onde você esteja esse é o ponto de partida pra você começar seu passeio pela cidade. Também é o melhor lugar pra começar o passeio de barco pelos canais, há vários lugares para comprar os bilhetes para fazer o tour, faça uma pesquisa de preços e rotas antes de comprar, cada um oferece um tipo de passeio e o preço varia muito, tem também ao lado da Leidseplein… Depois de fazer o passeio de barco é hora de curtir a cidade, seja de bicicleta ou a pé, eu preferi passear a pé, assim nós íamos parando nas lojinhas, e caminhando entre os canais sem pressa.

Além disso, existem vários sexshops por perto, onde tem de tudo! E, caso você resolva visitar um coffeeshop (atenção! não é uma cafeteria!). Rsrs
Além de muitos museus, como: Museu do Diamante, Van Gogh Museum, Rijksmuseum (Museu Nacional).

A vida noturna de Amsterdã se concentra principalmente no Distrito Vermelho ou Red Light (onde ficam as vitrines de mulheres exposta), mas se você já cansou de passear pela região siga para a Praça Leidseplein onde há teatros, cafeterias, casino e muita música e apresentações culturais.

Se você é daquele que gosta de mergulhar na cultura local, recomendo que você alugue uma bicicleta se tiver a chance, as bicicletas são um dos meios de locomoção mais populares no país. Você pode ir para um dos parques mais famosos como é o Vondelpark e fazer um picnic! O Vondelpark é considerado o maior e mais popular parque da cidade. Aberto 24 horas, está sempre cheio de gente, especialmente no auge do verão.

Uma visita que não deve ser perdida em sua visita é o museu Rijksmuseum. O Rijksmuseum é o museu nacional dos Países Baixos e está localizado em Museumplein, ao lado do Museu Van Gogh. Uma verdadeira festa para os olhos com sua vasta coleção de pinturas da idade de ouro neerlandesa, que inclui o famoso “A ronda noturna” de Rembrandt e obras de Vermeer e Jan Steen. No seu acervo você também irá encontrar o maravilhoso brasão de armas do navio de guerra britânico HMS Royal Charles, que foi capturado no bem sucedido ataque holandês na batalha de Medway no século XVII. O prédio sofreu restauração milionária, e conta agora com algumas modificações; no pátio, por exemplo, abriga uma coleção cativante de artes asiática.


Em frente o museu  fica o famoso letreiro I’m Amsterdam…. pausa para fotos obrigatória! 

Além deste Museu Nacional, podemos visitar o seu vizinho, “Museu de Pintura de Vincent Van Gogh”. 

Museu Van Gogh

O museu Van Gogh está localizado na Museumplein, ao sul de Amsterdam, e tem na sua coleção um verdadeiro tesouro de obras do artista mais emblemático da Holanda. Aqui você vai encontrar pinturas famosas como o Campo de Trigo com Corvos, Os Girassóis e a série de auto-retratos de Van Gogh. O acervo também inclui obras de artistas impressionistas e pós-impressionistas contemporâneos, como esculturas de Rodin e pinturas de Monet, Gaugin e Manet.

Você também pode visitar o Heineken Experience, que é uma parada obrigatória para todos aqueles que gostam de cerveja. Nas proximidades, temos a possibilidade de visitar o mercado mais importante da cidade, Albert Cuypstaart. Como curiosidade, informam que as casas mais antigas da cidade (número 1 a 97) localizadas muito próximas ao mercado são consideradas um monumento municipal.

Claro que você também não pode deixar de conhecer a casa de Anne Frank. Essa é uma das visitas mais emocionantes, onde estavam escondidos Ana, sua família e outras três pessoas por dois anos, para ser mais concreta de 1942 a 1944. Resumidamente a história dela é a seguinte: Anne Frank era uma adolescente de 13 anos quando ganhou de aniversário de seu pai um diário. Ela, como toda a família, era judia e morava em Amsterdam. Isso era lá pelo começo dos anos 1940.
Logo depois dela ganhar o diário, os nazistas invadiram a Holanda e passaram a mandar os judeus para campos de concentração. Quando chegou uma intimação dos nazistas para a irmã de Anne, o pai delas resolveu que seria uma boa se esconder.
O esconderijo ganhou o nome de “casa da Anne Frank” mas não era onde ela morava. É onde ela se escondeu.
Eles fingiram que fugiram para outro país, mas na verdade passaram a morar num anexo escondido atrás da empresa do pai. Viveram lá a família dela e mais algumas pessoas por uns dois anos, sem por o nariz para fora, sem fazer barulho, compartilhando um único banheiro, em total confinamento. Até que ma hora eles foram descobertos e presos e enviados para campos de concentração, (houve uma denúncia de alguém não identificado até hoje). Toda a família morreu, menos o pai.
Quando a guerra acabou (dois meses depois da Anne Frank morrer), o pai voltou para Amsterdam e descobriu que a filha escreveu um diário contando toda a experiência. Ele editou e publicou o diário da filha, que acabou virando um best-seller e ela uma espécie de heroína nacional holandesa.
A casa onde a família passou pela provação é hoje um museu aberto à visitação pública e uma das maiores atrações de Amsterdam.
Raramente você não encontrará filas em frente à Casa de Anne Frank. Para evitar a longa fila compre seu ingresso antecipadamente. Neste que é considerado um dos maiores símbolos dos horrores do Holocausto e da ocupação nazista na cidade, durante a 2ª Guerra Mundial. Multidões se formam, mesmo antes da abertura e continuam até pouco tempo antes de fechar. Dentro, você poderá passar por trás da estante (reconstruída) que escondia a porta para o anexo secreto onde a família Frank se escondeu. No museu também há uma exposição sobre a vida de Anne Frank. Está localizado no canal Prinsengracht.

Depois da Casa de Anne Frank siga para a região mais central – em direção a Principal Estação de Trem de Amsterdam. No caminho aproveite para parar na Dam Square, a principal praça da cidade. 

A Praça Dam está situada no centro histórico de Amsterdam e é considerada uma das maiores da Europa. Lá você encontrará o Palácio Real onde acontecem as comemorações de Estado, como a recepção do Rei durante a passagem de Ano Novo. Fora destas datas oficiais o prédio fica aberto à visitação pública. Na praça também está localizado o Monumento Nacional dedicado às vítimas da segunda guerra mundial, a catedral e a antiga prefeitura.

É ali que também fica o museu Madame Tussauds. Depois siga pela Damrak – a rua de comércio mais movimentada de Amsterdam. Ahh, é nessa rua que fica o famoso Museu do Sexo.

Depois desta visita interessante, podemos ir ver a Biblioteca Pública da cidade de Amsterdã, uma das maiores da Europa. Tem um belo terraço para desfrutar de uma vista incomparável da cidade. Em um dia aberto dá até para ver um moinho de vento na cidade .

Aliás a própria biblioteca é bem legal de visitar. Suba até o último andar (o sétimo), onde tem o restaurante self-service La Place. Ele tem uma sacada que tem uma linda vista. E você não precisa pagar nada – nem consumir. A não ser, é claro, que você queira sentar na mesa.
Atenção: é comum o terraço estar fechado no inverno e até parte do outono. Se caso estiver fechada, outra opção é o Hilton Double Tree Hotel bem pertinho. Você passa por ele a caminho da Biblioteca. No 11° andar, há o bar/restaurante Sky Lounge, com uma vista espetacular da cidade. Eles toleram se você for lá ver a vista, não precisa consumir (claro, a não ser que você sente na mesa…).

Também é interessante visitar o bairro de Begijnhof, um lugar mágico de estilo medieval dentro da cidade, onde você pode ver a casa mais antiga e duas igrejas de estilo sóbrio. 

Distrito da Luz Vermelha

A noite chegou, termine seu passeio no Red Light District – famoso distrito da luz vermelha de Amsterdam.

Na Holanda a prostituição é legalizada. Em um fato completamente não-relacionado, os holandeses adoram janelas. Por toda parte você vê casas com janelas enormes, inclusive nos apartamentos que ficam no térreo, direto para rua. Então as meninas, procurando uma solução para resolver o conflito entre ficarem expostas ao maior número de interessados possível versus o clima chuvoso e frio da Holanda, resolveram usar a paixão pelas janelas a seu favor. Então elas alugam os quartinhos com janelas enormes e ficam lá dentro, no quentinho e no seco, com roupas provocantes, como se estivesse em uma vitrine de loja. Holandês não tem problema nenhum com as meninas fazerem sexo por dinheiro. Você pode ter, mas os holandeses, em sua maioria não tem, não ligam.. E como a prostituição é legalizada, não tem tanto aquela carga de marginalidade associada.

O Red Light District é, sim, uma atração turística de Amsterdam, e vai lá todo o tipo de gente. Os turistas vão em peso lá, inclusive senhoras, famílias, todo mundo na boa, passeando, e as meninas lá, na janela, na delas. A polícia patrulha ostensivamente, para garantir a segurança de todo mundo, e sim, o bairro é muito bonito. E não só isso, também é um bairro residencial e mora um monte de gente lá que não tem nada a ver com a indústria do sexo.

Agora, claro, vai todo o tipo de gente, e sim, vai ter casa de show de sexo, vai ter meninas nas vitrines convidando os homens pra entrar, vai ter gente querendo descolar umas drogas, vai ter quem vai lá pagar as meninas, óbvio, vai ter sex shop, tudo isso misturado entre turistas, o que é tipicamente holandês, essa mistura de cada um na sua, o que junto com o bairro em si forma a combinação que eu acho que torna o lugar digno de uma visita.

O bairro em si é razoavelmente seguro claro, sempre onde tem muita gente, especialmente turistas, sempre tem batedor de carteira, mas é só não dar vacilo – mas isso vale para toda Amsterdam, Europa, Brasil enfim em todos lugares turísticos.

É ali que você vai ver um outro lado da cidade, apontado como exemplo de tolerância da cidade.
Lembre-se que é proibido tirar fotos das mulheres por trás das vitrines. Respeite esta regra para não correr o risco de perder sua câmera!

Coffee Shops
Amsterdam é conhecida por suas “coffee shops”. Tem cerca de 250 em Amsterdam.
Na Holanda, o termo café passou a significar estabelecimentos sem álcool onde a cannabis (maconha, haxixe, marijuana) são vendidas e consumidas. De acordo com a Lei de Drogas Holandesa as Coffee Shop estão licenciados para vender pequenas quantidades de cannabis para adultos maiores de 18 anos.
Os turistas podem comprar e desfrutar da erva haxixe e maconha em um ambiente agradável e seguro, identificados com uma etiqueta verde e branca nas suas janelas.

As Coffeeshops de Amsterdam não estão autorizados a vender bebidas alcoólicas. A maioria dos coffeeshops têm um menu, basta perguntar ao funcionário no balcão sobre o menu, e eles vão dar o que você precisa. A regra geral é: quanto mais caro, é a erva mais forte. Para os fumantes inexperientes peça conselhos, se você não tiver certeza, essas pessoas estão lá para se certificar que tudo esteja seguro.
Você não pode fumar em público, o uso de drogas leves, só é permitida no interior das coffeeshops.

Assista aqui o video completo da viagem pela Holanda

Se estiver na cidade entre os meses de março a maio, será difícil você encontrar uma vista tão bela durante a primavera do que as dos milhares de tulipas em Keukenhof (“horta” em holandês). Um jardim ornamental localizado em Lisse, a uma hora do sudoeste de Amsterdam. Conhecido como o Jardim da Europa, é considerado a maior plantação de flores do mundo, com sete milhões de mudas plantadas por ano. Durante o mês de junho uma exposição é realizada mostrando as tulipas no máximo de sua beleza.

Você pode ler o artigo completo no link abaixo:

Keukenhof Gardens e campos de tulipas na Holanda

Mirelle Tome

Autora Mirelle Tome

Mais posts de Mirelle Tome

Deixe uma reposta

Close
%d blogueiros gostam disto: